Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
Logo 10 anos

Dissertações - de 11 a 20

11 Karlla Karollina de Sá
A olimpíada brasileira de física em Goiás enquanto ferramenta para a alfabetização científica: Tradução de uma educação não formal.
Ano de defesa: 2009
Orientação: Prof. Carlito Lariucci
Banca examinadora: Profª. Sandramara Matias Chaves, Prof. Paulo Celso Ferrari e Prof. Marco Antônio Amato /div>
12 Karolina Martins Almeida e Silva
Abosragem CTS no ensino médio: um estudo de caso da prática pedagógica dos professores de biologia.
Ano de defesa: 2010
Orientação: Profa. Dra. Marilda Shuvartz
Banca examinadora: Prof. Dr. Décio Auler e Profa. Dra. Dalva Eterna G. Rosa
resumo
Este trabalho analisa a realidade e perspectivas da Olimpíada Brasileira de Física em Goiás enquanto possível ferramenta de alfabetização científica nos moldes de uma educação não formal. Tece considerações sobre a história, relevância e características gerais da referida olimpíada. Analisa a educação científica como basilar na promoção da cidadania e na busca pela sustentabilidade econômica, ambiental, cultural e social, e como auxílio na ruptura do estereótipo da ciência como intangível. Apresenta uma análise, propedêutica, das provas da OBF, apontando sugestões de questões contextualizadas e melhores elaboradas. Propõe-se a OBF como uma educação contextualizada sócio e historicamente tal qual a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica. Coloca em destaque, ainda, a Olimpíada Brasileira de Física como educação não formal, característica que auxilia na efetivação da referida educação. Tece ainda uma análise da visão dos agentes envolvidos na olimpíada, a saber: professores, alunos e coordenadores pedagógicos. Palavras-chave: Olimpíada; Física; Alfabetização científica; Educação não formal.
resumo
Objetivamos com esta investigao apreender manifestaes do enfoque das inter-relaes Cincia-Tecnologia- Sociedade (CTS) na prtica pedaggica de professores de Biologia da rede Estadual de Educao de Goinia-GO. A pesquisa foi desenvolvida nos moldes do Estudo de Caso, por se tratar de uma investigao sobre a prtica de nove professores de trs escolas, buscando evidenciar a complexa relao entre a formao docente e a abordagem CTS. Para a construo dos dados, os instrumentos foram a anlise dos documentos oficiais que propem o currculo para o Ensino Mdio, questionrio exploratrio, entrevista semi-estruturada e observao de aulas. Para a triangulao dos dados envolvemos quatro categorias de anlise: Perfil Profissional; Aspectos da prtica pedaggica relacionados s metodologias de ensino; Concepes sobre as inter-relaes CTS; e Manifestaes CTS na prtica pedaggica. A anlise tambm propiciou a elaborao de categorias temticas para elucidar aspectos que esto intrnsecos abordagem das inter-relaes CTS. Evidenciamos que o enfoque CTS est presente nos documentos oficiais para o Ensino Mdio por meio de sinalizaes que demonstram a necessidade de um ensino contextualizado, problematizado e interdisciplinar. Contudo, ainda se percebem algumas lacunas quanto abordagem e aos conceitos ambguos que do margem a prticas que vo de encontro aos objetivos do enfoque proposto. Quanto s concepes dos docentes sobre as inter-relaes CTS, elucidamos que as mesmas esto fundamentadas na associao salvacionista da cincia, na interpretao linear de progresso com as inovaes tecnolgicas e, portanto, asseguradas pela neutralidade Cientfico-Tecnolgica. Foram evidenciadas tambm concepes que relacionam a utilizao de artefatos tecnolgicos como indicativo de abordagem das inter-relaes CTS no campo educacional. Por outro lado, constatamos nos depoimentos dos docentes motivaes individuais que sinalizam claramente aspectos necessrios ao enfoque CTS, dentre eles a necessidade de uma modificao na estrutura curricular, com vistas a prticas interdisciplinares. Palavras-chave: abordagem CTS; ensino mdio; prtica pedaggica; formao docente.
13 Kênia Bomtempo
Pequeno construtor: cenário para investigação no estudo da geometria.
Ano de defesa: 2009
Orientação: Profª. Dra. Maria de Fátima Teixeira Barreto
Banca examinadora: Profª. Dra. Vanda Domingos Vieira e Prof. Dr. Valter Soares Guimarães
resumo
O presente trabalho, realizado junto ao Programa de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Goiás, investiga quais as possibilidades da construção de miniaturas de casas serem cenários para investigação para o estudo da geometria. O trabalho com a geometria, por intermédio da experimentação, é uma indicação defendida por vários pesquisadores em Educação Matemática (ANDRADE; NACARATO, 2008; FAINGUELERNT, 1999; PAULO, 2001; PAVANELLO, 2007). Nesta investigação, parto das considerações desses autores e caminho para uma proposta de trabalho por meio dos Cenários para Investigação Matemática. Essa perspectiva considera a participação investigativa do aluno de forma lúdica e por intermédio do ato de brincar. Desenvolvi o projeto “Pequeno Construtor”, na Escola Municipal Santa Helena, em Goiânia, em usa sala com 27 crianças entre 10 e 12 anos. No projeto, os alunos edificaram minicasas para que, no processo de construção, estudássemos conceitos geométricos. Os dados obtidos foram analisados seguindo as orientações da pesquisa qualitativa numa abordagem fenomenológica. No processo investigativo, foram analisados os modos de compreensão expressos pelos alunos e a intervenção pedagógica realizada pelos professores envolvidos. O estudo convergiu para três categorias abertas: as compreensões expressas sobre medidas no cenário proposto; as compreensões expressas sobre formas e figuras planas no cenário proposto; as compreensões expressas para além da geometria no cenário proposto. Tais categorias revelaram a possibilidade de o projeto “Pequeno Construtor” se constituir como cenário de investigação, ao possibilitar o estudo da geometria e também ir para além dela. As análises indicaram as fragilidades do professor e do aluno, bem como a efemeridade dos cenários para investigação, ao mesmo tempo em que possibilitaram um repensar o mundo-vida da sala de aula de geometria. Palavras-chave: Geometria. Cenários para Investigação. Casas em miniaturas. Educação. Matemática lúdica.
14 Larissa de Mello Evangelista
O lúdico e a Educação Ambiental na Formação de professores: Diálogos Possíveis.
Ano de defesa: 2009
Orientação: Profº. Dr. Márlon Herbet Flora Barbosa Soares
Banca examinadora: Profº. Dr. Helder Eterno da Silveira e Profª. Dra. Mirian Pacheco
resumo
Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa ocorrida com alunos do ensino superior na tentativa de unir o lúdico à temática de Educação Ambiental como proposta de melhorar o processo de ensino e aprendizagem dos futuros professores de Ciências e Biologia, bem como sua receptividade com relação à Educação Ambiental, possibilitando assim, uma nova alternativa de trabalho para o professor em suas aulas, seja em qualquer temática. Assim, trabalhamos com uma turma do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas em uma universidade pública estadual no município de Itapuranga, Goiás, Brasil cujos alunos se encontram no terceiro ano. O método utilizado foi a pesquisa-ação-participativa por se tratar de uma pesquisa em sala de aula na qual a pesquisadora é a própria professora da disciplina, cujos resultados serão trabalhados na melhoria do processo ensino e aprendizagem. Para realização desta pesquisa a turma composta por 32 alunos foi dividida em dois grupos, e cada um em 3 subgrupos, no qual um deles deveria Propor Resolução para um Problema Ambiental Causado pela Usina sucroalcooleira existente na cidade e o outro deveria criar uma Empresa de Consultoria Ambiental para Propor Resolução para um problema ambiental na cidade, tendo nome, símbolo, slogan, propaganda, etc. De acordo com a pesquisa foram encontradas seis categorias de análise: Identificação do problema; Interesse/motivação; Competição; Criatividade; Resolução dos Problemas Ambientais e Personificação. Os resultados desta pesquisa demonstram que atividades lúdicas podem ser trabalhadas na temática educação ambiental e de forma eficaz, pois, além de aumentar o interesse, é uma atividade motivadora, congrega os alunos, pressupõe liberdade de ação, aumenta o aspecto disciplinar e, por fim, auxilia muito na melhoria do processo ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Lúdico, Educação Ambiental, Formação de Professor.
15 Leandro Daniel Porfiro
O processo de criação de objetos virtuais de aprendizagem no Instituto de Física da Universidade Federal de Goiás.
Ano de defesa: 2010
Orientação: Prof. Dr. Paulo Celso Ferrari
Banca examinadora: Prof. Dr. Edemilson Jorge Ramos Brandão e Prof. Dr. José Pedro Machado Ribeiro
resumo
No presente trabalho analisamos a trajetória de uma equipe de produção de objetos virtuais de aprendizagem no Instituto de Física da Universidade Federal de Goiás, baseados em fundamentos teóricos como Transposição Informática, Interatividade e Simulação. As discussões realizadas nessa investigação referem-se ao período de transição de um grupo anterior, vinculado a um Consórcio entre universidades, para a nova Equipe de Produção de Objetos Virtuais de Aprendizagem. Participantes e ex-participantes do grupo foram entrevistados e questionados sobre o processo do qual participam ou participaram, com o objetivo de analisar, a partir de suas falas, o nível de conhecimento desses fundamentos. Com base nesses dados e apoiados em autores como Chevallard, Balacheff e Conraux, buscamos compreender os aspectos teóricos e práticos que envolvem a dinâmica de criação desses objetos. A pesquisa revelou, entre outras coisas, que conceitos como Transposição Informática e Interatividade são ainda insipientes para equipe, contudo o conceito de Simulação eles apresentaram maior propriedade. A participação de uma Pedagoga na equipe foi fundamental, segundo os integrantes, para direcionar os trabalhos e também para que a integração da equipe acontecesse. Palavras-chave: Transposição Informática, Interatividade, Simulação, Objetos Virtuais de Aprendizagem, Ensino de Física.
16 Lidiane de Lemos Soares Pereira
Análise da comunicação verbal em uma rede social de formação de professores: Em foco a educação inclusiva.
Ano de defesa: 2010
Orientação: Profa. Dra. Anna Maria Canavarro Benite
Banca examinadora: Profa. Dra. Enicéia Gonçalves Mendes e Profa. Dra. Agustina Rosa Echeverria
resumo
O discurso da universalização do ensino trouxe consigo anseios de classes antes não atendidas por uma política publica que garantisse o direito à educação. Sendo assim discussões acerca da educação inclusiva foram intensificadas de fora que perpassasse a formação de professores para atuar neste âmbito. Partindo do pressuposto de que quando o professor reflete no espaço de suas concepções e de suas práticas, tomando consciência delas e tendo um aporte teórico, isto proporcionará mudanças na prática docente de cunho crítico-reflexiva insistimos que as redes sociais de pesquisas podem surgir enquanto espaço para se promover as interações necessárias para tais mudanças. Sendo assim, esta investigação foi realizada em uma rede social, como estratégia para a formação inicial e continuada de professores. A rede em questão se denomina Rede Goiana Interdisciplinar de Educação Especial/Inclusiva (RPEI) sendo composta por professores em formação, professores formadores e professores do ensino regular que buscam por ações refletidas através das interações sociais que são promovidas pela RPEI. Com efeito, esta pesquisa tem como objeto de estudo a comunicação verbal produzidas na RPEI. Objetivamos fazer uma análise dessa comunicação verbal produzida no ambienta da RPEI, ou seja, como esta dinâmica de interações sociais entre a Universidade e a Coordenação de Ensino Especial – Secretaria de Estado da Educação de Goiás (COEE–GO) pode contribuir para a formação de professores com vistas à inclusão escolar. Apresentamos os resultados analisando dois tipos de categorias, a saber: categorias a priori (previamente elaboradas) e a posteriori (emergiram das vozes dos sujeitos) que permitem nos dizer, que algumas iniciativas podem tornar mais eficazes os processos de formação de professores no âmbito da Educação Inclusiva, assim como é o caso da RPEI. Palavras-chave: educação inclusiva, formação de professores em rede, comunicação verbal.
17 Lino Verdial do Rosário
Um Estudo Comparativo da Formação de professores de Matemática no Timor-Leste e no Brasil: Uma Proposta de qualificação para os professores em exercício, no Ensino Médio do Timor-Leste.
Ano de defesa: 2010
Orientação: Profº. Dr. Juan Bernardino Marques Barrio
Banca examinadora: Profº. Dr. Adelino Candido Pimenta e Profº. Dr. José Pedro Machado Ribeiro
resumo
Nesta dissertação, partindo da compreensão da realidade educacional/política e social timorense, realizamos um estudo comparado das reformas ocorridas nos sistemas educacionais brasileiro e timorense, procurando compreender/identificar tanto as orientações comuns como as particularidades em cada um desses países. Em nossa análise, tomamos como referência os ordenamentos jurídicos e normativos, projetos e programas governamentais, em particular no que diz respeito à formação de professores de Matemática. A análise permitiu verificar que, do mesmo modo que no Brasil nos anos 1990, no Timor-Leste nos anos 2000, as reformas educativas foram empreendidas segundo a inspiração gerencial e produtivista, submetendo políticas e práticas da educação aos imperativos da lógica de mercado e, ao mesmo tempo, envolvendo mudanças significativas no modo de regulação e atuação do Estado. Essa perspectiva implica que as tradicionais fronteiras nacionais deixem de ser as únicas ou principais unidades de análise e, que, o estudo comparativo passe, necessariamente, a considerar a interrelação entre o local e o global. A partir dessa análise e dos dados acerca dos professores de Matemática de Ensino Médio, em exercício no Timor-Leste, propomos um curso de qualificação para estes professores. Palavras-chave: Estudo comparado, formação de professores, qualificação de professores.
18 Lorenna Silva Oliveira Costa
Análise da elaboração conceitual nos processos de ensino-aprendizagem em aulas de química para jovens e adultos: Por uma formação integrada.
Ano de defesa: 2010
Orientação: Profa. Dra. Agustina Rosa Echeverría
Banca examinadora: Prof. Dr. Otávio Aloísio Maldaner e Profa. Dr. Mirian Pacheco Silva
resumo
Este trabalho analisa, segundo referenciais sócio-históricos, a dinâmica discursiva no contexto escolar bem como a elaboração conceitual nos processos de ensino-aprendizagem em aulas de química num curso técnico integrado ao ensino médio na modalidade de Jovens e Adultos - EJA. Na tentativa de sinalizar um currículo diferenciado que crie um diálogo entre os conteúdos a serem tratados com a vivência desse público, uma proposta didática estruturada em eixos temáticos, baseado em Paulo Freire, foi elaborada e implementada: “A Química dos Alimentos”. Foram dadas dezessete aulas no total. Os dados foram construídos a partir de anotações em diário de campo e filmagens em VHS com posterior transcrição. As aulas foram analisadas de uma forma geral, mas, para sistematizar as análises e facilitar a criação de categorias, três aulas foram selecionadas para a elaboração de Mapas de Atividade e Episódios de Ensino. Metodologicamente, este trabalho se caracterizou como uma pesquisa-ação, que foi desenvolvida em várias etapas. Utilizamos a Análise de Discurso, tendo como principal referencial Bakhtin. Por meio da abordagem por temas vivenciais, os jovens e adultos conseguiram participar da aula nos momentos em que eram abordados assuntos do cotidiano, com descrições e algumas explicações. Porém, demonstraram grandes dificuldades em compreender os conhecimentos sistematizados que operam no nível das generalizações e abstrações. Mesmo assim, após discussões em sala de aula, os alunos foram se apropriando de novas palavras, próprias do conhecimento sistematizado, significando-as no decorrer do processo. A abordagem por temas geradores nos colocou diante de uma constante tensão dialética: ao mesmo tempo em que conscientemente valorizamos o cotidiano, queríamos superá-lo, por ele ser fetichizado e alienante. Dessa forma esse tipo de abordagem requer dos professores constante vigilância para não permanecer apenas no que os alunos já sabem. Este trabalho ambiciona sinalizar contribuições nas práticas curriculares voltadas para a EJA, contribuindo com uma proposta que visa à formação onilateral desses sujeitos. Palavras-chave: Jovens e adultos, educação integrada, currículo, temas vivenciais, análise de discurso, elaboração conceitual.
19 Lucimar Moreira Faria
A visão de ciência de professores de física do ensino médio de Goiânia e sua relação com os livros didáticos.
Ano de defesa: 2009
Orientação: Prof. Dr. Juan Bernardino Marques Barrio
Banca examinadora: Prof. Dr. Cássio Costa Laranjeiras e Prof. Dr. Paulo Celso Ferrari
resumo
O presente estudo investigou as concepções sobre ciência de um grupo de professores que atua na área de Física (Ensino Médio) em escolas públicas e particulares na cidade de Goiânia – GO e sua relação com os livros didáticos. Procuramos identificar a concepção de ciência dos professores pesquisados e a natureza da ciência presente em alguns livros didáticos adotados por estes professores. Inicialmente discutimos diferentes concepções paradigmáticas de natureza da ciência e suas implicações para o ensino de ciências. Nesta investigação, adotamos uma abordagem qualitativa com análise de conteúdo e, como instrumentos de investigação, utilizamos questionário e entrevista semi-estruturada. Percebemos que os professores expressam visíveis contradições o que indica que eles não possuem uma visão de ciência constituída, ao mesmo tempo que, corroboram as concepções presentes nos livros didáticos, de caráter predominantemente empirista- indutivista. Palavras-chave: Natureza da ciência; visão de ciência; livro didático.
20 Lusitonia da Silva Leite
A Expressão da Compreensão de Alunos com Dificuldades de Aprendizagem em Matemática ao Trabalhar com o Material Cuisenaire.
Ano de defesa: 2009
Orientação: Profª. Dra. Maria de Fátima Teixeira Barreto
Banca examinadora: Profª. Dra. Maria Aparecida Viggiani Bicudo e Prof.Dr. Marcus Corrêa da Silva Loureiro
resumo
Os materiais concretos fazem parte da busca de métodos de ensino que possibilitem um melhor entendimento no aprendizado da Matemática. Com esta pesquisa, investigo como alunos com dificuldades de aprendizagem expressam compreensões matemáticas ao lidarem com o Material Cuisenaire em situação de ensino, e o que compreendem nessa lida? O solo de investigação foi o projeto Vivenciando a Matemática no Ensino Fundamental, desenvolvido no CEPAE (Centro de Ensino e Pesquisa Aplicado à Educação da UFG). A coleta de dados se deu em cinco encontros/aula, realizando atividades sobre as operações fundamentais. Os sujeitos são doze alunos do 5º e 6º anos que apresentavam baixo rendimento escolar segundo seus professores de Matemática. Em termos de procedimentos, inserimo-nos na pesquisa qualitativa sob a perspectiva da abordagem fenomenológica. Com as interlocuções estabelecidas entre as falas dos alunos, minhas interpretações dessas falas e as teorias que dialogam com as interpretações que fiz, posso dizer que o referido material se mostrou significativo para que os alunos expressassem compreensões acerca das operações fundamentais. Vendo, pensando, relacionando as peças aos números, comparando-as, colocando-as em ordem, compondo, decompondo, trocando valores, agindo sobre seus próprios atos e pensamentos, compartilhando idéias com os colegas, pondo-se em atentividade ao que faziam, os alunos experienciaram a arte de descobrir. Diante do experienciado na trajetória da pesquisa, apresento algumas contribuições ao professor que se propuser utilizar o Material Cuisenaire para ensinar Matemática. Palavras-chave: Compreensões Expressas. Dificuldades de Aprendizagem. Ensino de Matemática. Material Cuisenaire.
Listar Todas Voltar